Baião

Teixeira

 

A aldeia da Teixeira insere-se na União de Freguesias de Teixeira e Teixeiró. Começando pelo seu próprio nome, no sentido botânico, o topónimo Teixeira indica um local onde abundava o teixo, nome vulgar de um arbusto espontâneo ou pequena árvore da família das taxáceas. De salientar que nesta freguesia se situa a aldeia de Mafómedes, em plena serra do Marão, a cerca de seis quilómetros de distância do centro da freguesia. É, ainda hoje, um dos lugares mais isolados do concelho de Baião, encaixado entre duas íngremes encostas da serra, muito próximo do pico. É um lugar belo, venturoso, mágico e com um lindíssimo rio. 

 

Relativamente à sua história, o antigo concelho da Teixeira teve foral outorgado por D. Manuel, em 17 de julho de 1514. O seu pelourinho, que remonta ao século XVI, foi certamente erguido para assinalar esta autonomia concelhia. Ergue-se sobre quatro degraus, apresentando uma base de secção quadrada e fuste cilíndrico, liso, com anel a meio. Termina num capitel de secção quadrada e num tabuleiro que suporta o duplo colunelo de remate.

 

É ainda importante referir o biscoito da Teixeira, um doce regional muito popular no Norte de Portugal, maioritariamente na região do Douro. É um bolo com formato retangular e de consistência compacta, não muito doce, tendo um sabor intenso e característico, devido ao uso do limão, com a particularidade de não levar ovos. A receita é oriunda da localidade com o mesmo nome, onde vive Sónia Pereira, que ainda o produz e o faz chegar a festas e romarias de todo o País e ao estrangeiro. Embora não se consiga determinar ao certo a sua origem, os testemunhos orais apontam para que seja uma receita com mais dois séculos, passada de geração em geração e de romaria em romaria. Conta-se, ainda, que o biscoito da Teixeira estaria associado a origens humildes, atendendo ao uso de poucos ingredientes na sua confeção e ao facto de ser vendido em festas populares.